— EVENTOS

Fórum Permanente: Os desafios de comunicar ciência em tempos sombrios

do movimento antivacina ao negacionismo climático



O Fórum Permanente: Os desafios de comunicar ciência em tempos sombrios: do movimento antivacina ao negacionismo climático, propõe uma análise crítica com especialistas sobre os desafios de divulgação científica em tempos de movimentos que negam a ciência e que colocam em xeque a dinâmica das relações entre ciência e sociedade, entre eles, o negacionismo climático, o movimento antivacina e o terraplanismo. Há 5 anos o Blogs de Ciências da Unicamp reúne pesquisadores de todas as áreas de estudo para compreender os fenômenos contemporâneos relacionados à divulgação científica, os organizadores propõem estreitar o diálogo entre universidade e sociedade e  As redes sociais multiplicaram os agentes de informação e o compartilhamento de notícias falsas. Sem o hábito de checagem de fontes, as falsas teorias e desinformação são amplamente viralizadas. Essa prática desqualifica o discurso científico e questiona o consenso acadêmico. Sendo assim, este fórum pretende explorar a origem, difusão e impactos de alguns tipos de negacionismo científico. Este diálogo, portanto, é essencial para ampliar a importância de a população aderir à vacina anti-COVID 19, além da noção de que consequências danosas para a saúde humana e do planeta podem ser evitadas com mais conhecimento sobre a prática da ciência.



Evento

Fórum Permanente: Os desafios de comunicar ciência em tempos sombrios

Detalhes do evento

Período do evento: 17/05/2021 a 18/05/2021

Período de inscrição: 20/04/2021 a 17/05/2021

 

Local: On-line: www.foruns.unicamp.br

(acessar o link na data do evento)

Evento: GRATUITO

Unidade/Órgãos envolvidos: Blogs de Ciências da UNICAMP, Instituto de Biologia (IB) e Núcleo de Pesquisa em Cultura, Educação e Divulgação Científicas/UNICAMP.

Organizadores: 

Ana Arnt | IB/UNICAMP;

Carolina Frandsen | IB/UNICAMP;

Eduardo Sato | IFGW/UNICAMP;

Graciele Oliveira | IB/UNICAMP;

Erica Mariosa | Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo - LabJor/UNICAMP;

Jaqueline Nichi | Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais/NEPAM/IFCH/UNICAMP.

PROGRAMAÇÃO

17/05 (segunda-feira)

14h - Abertura.

Mesa 1 - Terraplanismo e negacionismo climático: quando o planeta Terra deixou de ser redondo e quente?

14h20- Terraplanismo 

Prof. Dr. Thiago S. Gonçalves | UFRJ.

15h - Debate

15h30- Negacionismo climático

Marcelo Leite | Jornalista Folha de S. Paulo.

16h10- Debate.

Moderadora: Ana Arnt | IB/UNICAMP.

17h - Encerramento 

18/05 (terça-feira)

Mesa 2 - Infodemia e movimento antivacinação: como erradicar a epidemia de desinformação em meio a uma pandemia? 

14h - A controvérsia do coronavírus e o uso político do “kit COVID”

Dayane Machado | Labjor/ UNICAMP.

14h40 - Debate

15h30 - A volta do movimento antivacina

Profa. Dra. Marina Fontolan | Política Científica e Tecnológica/UNICAMP.

16h10- Debate.

Moderadora: Ana Arnt | IB/UNICAMP.

17h - Encerramento 

CURRICULUM VITAE - Palestrantes e Convidados

Thiago S Gonçalves.

Possui graduação em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Astronomia pelo Observatório Nacional e doutorado em Astrofísica pelo California Institute of Technology. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Astronomia, com ênfase em Astrofísica Extragalática observacional, atuando principalmente nos temas de formação e evolução de galáxias. É também coordenador do Programa de Pós-Graduação do Observatório do Valongo e Coordenador de Imprensa da Sociedade Astronômica Brasileira. Tem interesse em comunicação e popularização da ciência nas redes sociais e a interface entre divulgação científica e o uso de evidências na formulação de políticas públicas.

Marcelo Leite

Jornalista pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP) em 1979. Foi Nieman Fellow da Universidade Harvard (1998) e Knight-Wallace Fellow na Universidade de Michigan (2012), nos Estados Unidos. Atua hoje como colunista de Ciência e Ambiente na Folha de S.Paulo, onde foi também editor de Ciência, de Opinião e de Internacional, além de Ombudsman (1994 a 1996) e correspondente em Berlim (1990). Escreve editoriais para o jornal e também no blog Virada Psicodélica. A especialização em jornalismo científico o levou a buscar aperfeiçoamento na Alemanha como bolsista da Fundação Alfried Krupp von Bohlen und Halbach (1989-90), com estágios nas redações das revistas de divulgação científica Bild der Wissenschaft e Kosmos e no jornal diário Stuttgarter Zeitung. Marcelo Leite fez doutorado em Ciências Sociais na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e foi aprovado em 2005. Sua dissertação, Biologia total: hegemonia e informação no genoma humano, foi publicada em 2007 pela Editora da UNESP sob o título Promessas do genoma. É autor de vários livros básicos sobre ciência e ambiente, como Os alimentos transgênicos (2000), A floresta amazônica (2001), O DNA (2003) e Darwin (2009). É detentor dos prêmios de jornalismo brasileiros José Reis (2005), Esso/Exxon (2009 e 2015), José Alencar/CNI (2014 e 2015), Líbero Badaró (2014) e Petrobras (2017). Recebeu também o prêmio internacional WASH Media Award (2014). Foi finalista, em 2014, dos prêmios Exxon e Gabriel García Márquez/FNPI.

Dayane Machado

Mestre em Divulgação Científica (Labjor - Unicamp) e doutoranda em Política Científica e Tecnológica (DPCT - Unicamp), onde pesquisa desinformação sobre saúde com foco em vacinas e Covid-19.

Marina Fontolan

Pesquisadora de Pós-Doutorado no Centro de Estudos em Ciência, Tecnologia, Cultura e Desarrollo da Universidad Nacional de Río Negro (CITECDE/UNRN, Argentina), com bolsa do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET, Argentina). É Doutora em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É Book Review Editor da revista Tapuya: Latin American Science, Technology and Society. Possui graduação em História e Mestrado em História Cultural. Faz parte do Grupo de Estudos Sobre Desinformação nas Redes Sociais (EDReS) da Unicamp.